Ainda sob os efeitos desse extraordinário evento, promovido pela Federação Espírita do Paraná, entre 9 e 15 de março, próximos, temos a honra de trazer, à grande família espírita, notícias da XI Conferência Estadual, cujo tema, Família, escolhido face aos inúmeros desafios com os quais educadores e evangelizadores, mães e pais, pensadores e terapeutas têm se deparado nesses dias carentes de propostas válidas para os impositivos de uma educação assentada em valores legítimos, capazes de nos fazer trilhar por estradas seguras, imprescindíveis para os dias atuais e porvindouros, numa sociedade sequiosa de renovação e de esperanças, só possíveis quando a Doutrina Espírita deixa os círculos mais reservados para alcançar toda essa gente.

Sim… entre 9 e 15 de março, pois, em realidade, a Conferência contemplou várias cidades importantes do nosso Paraná Espírita, desde Londrina, no dia 9, até Ponta Grossa, no dia 15, à noite, com o incansável Divaldo Pereira Franco abrindo e fechando o maior evento promovido na história do Movimento Espírita Paranaense, em mais de um Século de atividades.

Foi um espetáculo de fraternidade, reconhecimento e união, um verdadeiro convite à esperança em dias melhores, que nos faz recordar das Décadas pretéritas, quando valorosos e nobres colaboradores, como Lins de Vasconcellos, Francisco Raitani, João Ghignone, entre outros, empreenderam os seus melhores esforços na tentativa de unir a família espírita em torno da Causa do Cristo.

Instituições coirmãs, diversos colaboradores, caravanas de outras Cidades e de outros Estados se fizeram presentes para celebrar este evento, que demarca uma fase importante no Movimento Espírita do Paraná e para as futuras ações da Federativa.

Bem mais do que vinte mil pessoas participaram das dezessete palestras (dez das quais no interior do Estado, nas nove Uniões Regionais Espíritas, que, por sua vez, realizaram um trabalho admirável, desde a organização do espaço público para as palestras, até o acolhimento dos palestrantes Divaldo Franco, Raul Teixeira e Sandra Borba), sendo que, na sexta-feira, quase metade desse público esteve presente para a solenidade que demarcaria a abertura dos trabalhos, em Pinhais.

Vejamos o resumo, portanto, dos eventos promovidos pela FEP nessa semana inolvidável, iniciada em Londrina e encerrada em Ponta Grossa, alcançando o seu auge na Região de Curitiba, no Expotrade – Pinhais.

Londrina, 9 de março
Tema: Medicina Integral
Palestrante: Divaldo Franco
Público presente: duas mil pessoas
Coordenação geral: Gilson L. Ribeiro, presidente da 5ª.URE

Maringá, 10 de março
Tema: Mediunidade e Vida
Palestrante: Divaldo Pereira Franco
Público presente: mil e quinhentas pessoas
Coordenação geral: Lannes Csucsuly, Alcides da Silveira e Danilo Arruda da Luz, além de toda a equipe da 7ª.URE

Apucarana, 10 de março
Tema: Na Esfera das Obsessões
Palestrante: Raul Teixeira
Público presente: quinhentas pessoas
Coordenação geral: Maria Dalla Costa, 1ª. Vice da 6ª.URE
O público, de quinhentas pessoas, que se fez presente ao Cine Teatro Fênix, lotou para ouvir o conferencista tão querido da região. Há muito tempo a sua presença era aguardada. Saíram, os participantes, extasiados com as palavras e ensinamentos do nosso querido Raul. (Maria Dalla Costa)

Paranavaí, 11 de março
Tema: Os Espíritos em Nossas Vidas
Palestrante: Raul Teixeira
Público presente: oitocentas e cinquenta pessoas
Coordenação geral: Sergio Castelão Pinheiro, presidente da 8ª. URE
O destaque que poderia ser dado é que fazia dez anos que José Raul Teixeira não visitava nossa região. (Sérgio Castelão).

Paranaguá, 11 de março
Tema: Resiliência Moral
Palestrante: Sandra Borba
Público presente: duzentas pessoas
Coordenação geral: Solange de França, presidente da 1ª.URE
O destaque ficou por conta de ser a primeira vez que a diretoria da FEP escolheu a região para ser um dos cenários de um evento dessa magnitude, segundo Solange.

Campo Mourão, 11 de março
Tema: O que é Espiritismo ?
Palestrante: Raul Teixeira
Público presente: novecentas pessoas
Coordenação geral: Marcelo Pineze Pereira, presidente da 11ª.URE
Campo Mourão teve a honra de poder receber o professor Dr José Raul Teixeira para proferir Conferência (…) no Celebra Eventos, com adesão de grande público (…).
Em face da ampla divulgação televisiva, radiofônica, audiovisual, eletrônica e pessoal, houve grande repercussão na cidade e na região, levando a mensagem lúcida e consoladora da veneranda Doutrina Espírita a grande número de pessoas.
O conferencista, mesmo portando problemas de saúde visíveis, que lhe infringiram grande dor, falou sobre o tema “O que é o Espiritismo” com amor e vigor, de tal intensidade, que contagiou todos os presentes, não somente pela mensagem, mas pelo exemplo pessoal de devotamento à causa espírita e abnegação, demonstrando verdadeira vivência espírita. (Marcelo Pineze)

Francisco Beltrão, 11 de março
Tema: Em Busca da Felicidade
Palestrante: Divaldo Franco
Público presente: mil e duzentas pessoas
Coordenação geral: Ubiratan Archetti, presidente da 14ª.URE e as valorosas equipes da Sociedade Espírita Fraternidade, de Pato Branco e do Centro Espírita Mensageiros da Paz, de Francisco Beltrão.
O evento foi acolhido nas dependências do clube Santa Fé, na Cidade.
Vale mencionar, ainda, que cerca de vinte Municípios das regiões Oeste e Sudoeste do Paraná, além do Oeste de Santa Catarina, foram representados por espíritas.

Pato Branco, 12 de março
Tema: A Paranormalidade Humana e o Amor
Palestrante: Divaldo Franco
Público presente: mil e quinhentas pessoas
O local do evento foi o Clube Pinheiros.
Destacam-se: a transmissão dos dois eventos com Divaldo, no dia 12, pela TVCEI, canal 8; gravação de programa televisivo com, aproximadamente, uma hora e meia de duração, na TV Itapuã, canal 10 – fechado – em Pato Branco.
No programa denominado Itapuã em Debate, no qual cinco participantes – sendo dois espíritas (Ubiratan e Alan Archetti), dois jornalistas, um advogado (coordenador do curso de Direito, da FADEP) – dirigiram perguntas variadas, às quais Divaldo respondeu com o brilhantismo que lhe é peculiar. Este programa foi ao ar no dia 22 de março, próximo passado.
Não bastasse isso, o incansável Divaldo ainda concederia entrevistas à rádio Itapuã AM e ao Jornal Diário do Sudoeste, de Pato Branco.
Para coroar a jornada pelo interior do Estado, Divaldo e os admiráveis representantes da FEP, na região, participaram de um Culto do Evangelho, na Sociedade Espírita Fraternidade, em Pato Branco.

Rio Negro, 12 de março
Tema: Paulo de Tarso – Exemplo de Trabalhador Cristão
Palestrante: Sandra Borba
Público presente: trezentas pessoas
Em face de os vice-presidentes da 3ª.URE residirem em Rio Negro, Antonio Kuhll e Irajá Luciano Martins assumiram o encargo de divulgar e agilizar as providências quanto ao local, equipe de trabalho etc. para a realização da conferência.
Destacamos a valiosa colaboração de Valdecir Valoja de Collo, presidente do Centro Espírita Allan Kardec, que disponibilizou o amplo e confortável espaço do Centro para o evento.
O destaque principal ficou por conta da conferencista que, com seu verbo fluente, nos transportou aos primórdios do Cristianismo, trazendo-nos a belíssima história de Saulo / Paulo e Estêvão, cujos ensinos, aplicados aos nossos dias, concitam-nos ao trabalho na seara Espírita, de modo a fazermos a diferença, tendo-se em vista a disponibilidade de Paulo: “Senhor, que queres que eu faça?” (Antonio Portes Júnior)

Ponta Grossa, 15 de março
Tema: Ilusões e Realidade
Palestrante: Divaldo Franco
Público presente: mil e oitocentas pessoas
Coordenação geral: diretoria da 2ª. URE
O presidente da 2ª.URE, Luis Mauricio Resende, destaca que Divaldo Franco relatou, assim que entrava na Cidade, a presença de vários dirigentes do Movimento Espírita local, desencarnados, que se apresentaram a ele, dando-lhe as boas vindas…estando, mais tarde, presentes durante a palestra da noite, às 20h.

Curitiba, 13 a 15 de março
Foram duas conferências, com Divaldo Franco e Raul Teixeira, além de cinco seminários, com ambos, mais Cosme Massi (Curitiba), Sandra Borba (Natal/RN) e Alberto Almeida (Belém/PA).
Todos falaram – com o estilo que caracteriza cada qual desses extraordinários colaboradores do Movimento Espírita, que enobreceram as nossas horas, as nossas reflexões – a respeito da Família, desde a imprescindível tarefa de educar os filhos, até as relações interpessoais na intimidade doméstica.


Momentos inesquecíveis, não há dúvida, que nos estimulam a deixar as masmorras psicológicas em que nos encontramos - como sociedade – não raras vezes, em decorrência dos impositivos de crenças e propostas que se assentam numa perspectiva materialista – para antever as cumeadas do monte, contemplar as estrelas, transcender a bolha do tempo e do espaço - numa proposta transcendental – na condição de espíritos imortais, viajores na direção de um mundo que valorize a família como a mais importante conquista da civilização, como uma instituição divina, onde se forjam a personalidade e o caráter de todos os espíritos que transitam sob o seu cadinho depurador, na condição de filhos e pais, onde aprendemos as primeiras lições do amor-renúncia, do amor-doação, do amor que dá sem esperar nada em troca, do perdão e do sacrifício dos interesses pessoais, que burilam e sublimam os nossos sentimentos.

Sem embargo, nada melhor do que alguns depoimentos, daqueles que participaram ou trabalharam para o êxito desse empreendimento que marca, inquestionavelmente, uma fase diferente e positiva para o Movimento Espírita do Paraná:

Depoimentos de alguns participantes:
Não poderia deixar de expressar minha gratidão por poder participar da Conferência nesse último final de semana.
Nesse sentido, venho parabenizar toda a equipe da FEP que a esteve organizando, na certeza de ter sido uma das melhores – para não dizer a melhor – de todas as conferências já realizadas. (Sérgio Castelão – Paranavaí/PR)

Passadas algumas horas, desde o encerramento da magistral Conferência, ainda sentimos o ecoar das emoções lá vividas. Embora desnecessário realçar o óbvio, desejo dizer apenas que tudo se deu em nível de excelência; desde os pormenores da recepção até os mais altos conceitos doutrinários exarados pelos coordenadores em estreita consonância com o Espiritismo.
Sentimo-nos honrados por compartilhar com pares tão determinados e realizadores… (Osvaldo Monteiro – Paranavaí/PR)

Gostaria de registrar, nesse espaço, a minha profunda gratidão a você (presidente) e demais confrades da FEP, pelas experiências vividas por ocasião da XI Conferência.Não foram apenas os momentos de nossa participação ou aqueles que marcaram a Conferência. Foram as vivências de carinho, fraternidade e amorosidade de todos os momentos, com todos os amigos e irmãos. O sucesso na realização de um evento desse porte não depende apenas de recursos materiais para efetivá-lo: é preciso ter alma amorosa, ideal santificante e atitude de servir aos nobres objetivos que almejamos alcançar, motivados pela Doutrina Espírita em nossas vidas. (Sandra Borba – presidente da Federação Espírita do Rio Grande do Norte)

A Federação Espírita do Paraná está de parabéns pela realização da XI Conferência Estadual Espírita, por tudo o que a mesma representou como ensinamento e divulgação dos ideais do Mestre Jesus, pela valorização da instituição familiar, pela agregação de espíritas de vários Estados e de outros países, pela seriedade, competência, fraternidade e sentimento cristão. (Maria Irandy Fernandes – Natal/RN)

Com certeza, todas as lágrimas, todos os abraços e toda emoção que envolveram diretorias, dirigentes, participantes, trabalhadores, organizadores, conferencistas e tantos outros, que pudermos lembrar, dos dois planos da vida, sentiram os laços mais apertados e os “nós” mais frouxos dentro de nossos lares, dos nossos Centros Espíritas e da Nossa Federação.
Recebemos calorosas manifestações de carinho e de reconhecimento pelo trabalho apresentado e pelo ambiente fraterno, que se fez em todos os dias. (Elisabeth Bianco e família)

Assistimos à XI Conferência Estadual Espírita. Gostaria de manifestar nossa gratidão por tudo o que recebemos naquele encontro. A FEP nos recebeu com carinho, ternura e amor. (…) Tudo estava perfeito e a mesa de palestrantes, então, nem se discute. Saímos daí revigorados, com nossas almas felizes (…). O encerramento foi divino, culminando com a manifestação de nosso querido Bezerra de Menezes, através do nossa amado Divaldo. Que Deus ilumine a todos. Muita paz. (Antonio Noronha – Florianópolis/SC)

Consideramos imprescindível manifestar-lhe (presidente) – e a toda sua brilhante equipe – a nossa gratidão, pela maneira cordial e absolutamente fraterna com que fomos agraciados em tal oportunidade. O carinho e a atenção que nos foram dispensados pelos irmãos da FEP transformam-se, também, em gratidão dos muitos companheiros da seara espírita catarinense, cujas delegações foram, também, gentilmente mencionadas nos momentos finais do luminar Encontro. Parabenizando-os pela organização do evento; pelo excelente nível das palestras e seminários, que representaram o seu conteúdo; pela indiscutível harmonia espiritual reinante no ambiente; e, certamente, por muito mais, ficamos agradecidos. (Olenyr Teixeira – presidente da Federação Espírita de Santa Catarina)

Primeiramente, é com muito prazer que escrevo para parabenizá-lo pelo ilustre evento realizado neste final de semana, a XI Conferência. Foi inenarravelmente maravilhosa. Muito obrigada por nos proporcionar este encontro com nossos conflitos internos e, consequentemente, a tentar resolvê-los também. A emoção vem à tona e isto nos deixa capacitados para ver, com os olhos do coração, a simplicidade da vida e o quanto nós a deixamos complicada. (Zilda Proença – Curitiba/PR)

Mensagem de Bezerra de Menezes na XI CEE
Ao Espiritismo pois, cabe a tarefa indeclinável de criar na sociedade uma nova ordem. Uma ordem moral que estabeleça nas mentes e nos corações humanos, as diretrizes fundamentais do amor. O consolador prometido por Jesus, que se encontra na Codificação Espírita, tem a grande tarefa de enxugar as lágrimas da atormentada criatura humana.

No entanto, o Missionário da Codificação, compreendendo o pensamento de Jesus ao apresentar o Espiritismo, oferece a terapia preventiva para todos os males, mediante as propostas luminosas que libertam o indivíduo dos seus vícios.

Não apenas o Espiritismo consola as lágrimas, porém, convidam o Espírito a erradicar-lhes as causas, e ao fazê-lo, substitui-as por aquelas de natureza enobrecedora proporcionando-lhe fluir do futuro as bênçãos que lhe estão reservadas.

Não é a primeira vez que vos encontrais na constituição familiar, repetindo experiências mal sucedidas. Estivestes na jornada terrestre trabalhando as imperfeições íntimas no reduto doméstico. Fracassando não poucas vezes, rogastes à Divina misericórdia a ensancha de retornar.

Nestes dias quando, o sol do Espiritismo aquece a frieza do materialismo e da crueldade, tendes grave responsabilidade no instituto doméstico, porque aqueles que vos são emprestados na condição de filhos, são os sublimes materiais para o trabalho de construção de uma sociedade feliz.

Aboli dos vossos propósitos o egoísmo e, naturalmente as tendências que vos levam a repetir os equívocos, cederão lugar às responsabilidades do amor, da renúncia e da caridade.

Pais hoje, filhos ontem, irmãos mais tarde, no sublime caldeamento do parentesco biológico, do tabuleiro de xadrez da reencarnação, ocupam-se lugares diferenciados com o mesmo objetivo de triunfar-se na batalha da existência.

Quando tiverdes pela frente desafios, quando vos encontrardes na encruzilhada de alguma difícil decisão, recorrei ao amor iluminado pela consciência espírita, e o amor dir-vos-á qual a melhor solução a ser aplicada.

Se experimentardes no lar, o abandono de filhos doentes pela ingratidão, ou de pais enfermos pelos desvarios que cometem, recorrei ao amor e tomados de compaixão persisti na saga da família feliz.

O lar, onde se forjam os caracteres morais, a escola inicial das experiências humanas, deve ser preservado e a família dignificada, neste momento grave de aflições, de perspectivas desastrosas, sem que nos olvidemos que Jesus está no comando da barca terrestre.

Dessa maneira, não aumenteis o vozerio do desespero com a blasfêmia, com a reclamação, por causa dos desafios atuais, efeitos inevitáveis dos comportamentos infelizes de ontem.

Semeando o amor e perseverando nos elevados objetivos da dignificação, lograremos todos juntos, espíritas e Espíritos espíritas, o desiderato a que nos propomos de estabelecer na Terra, o mundo de regeneração que já começa.

Ide pois em paz, renovados interiormente meus filhos, transmitindo aos vossos familiares, as lições que recebestes nestes três dias em que o intercâmbio entre os Céus e a Terra facilitou a ampliação do entendimento em torno dos objetivos da vida, particularmente no santuário do lar, na célula da família.

Muita paz, meus filhos. Que o Senhor de bênçãos nos abençoe em nome dos companheiros espíritas que aqui se encontram. Um abraço afetuoso do servidor humílimo e paternal de sempre. Bezerra