Abertura

Jesus é a resposta de Deus aos homens ávidos de amor, de ternura. (Divaldo Franco)

A XX Conferência Estadual Espírita, promovida pela Federação Espírita do Paraná – FEP -, ao longo de suas edições e formatos diferentes, tem alcançado um número quase incalculável de Espíritos nos dois planos da vida. A fraternidade e o acolhimento, prestando inigualável atendimento, são características facilmente percebidas. Esse fenomenal encontro espírita se dá noCentro de Convenções Expotrade, em Pinhais, região metropolitana de Curitiba.

Esta edição apresenta expositores de renome. Divaldo Pereira Franco, Alberto Almeida, Haroldo Dutra Dias, Sandra Borba Pereira e Sandra Della Pola, que no período de 16 a 18 de março de 2018 discorrerão sobre assuntos de grande relevância. Sob o tema Construindo o Mundo do Amanhã, a obra basilar A Gênese, de 06 de janeiro de 1868, é enaltecida pelo transcurso dos seus 150 anos de lançamento, trazendo luzes aos homens sedentos de saber.

Citando Jorge Godinho Barreto Neri, Presidente da Federação Espírita Brasileira, Adriano Lino Greca, Luiz Henrique da Silva e Nélio Mauro Aguirre de Castro, Presidente, 1º e 2º Vice-Presidentes da FEP, respectivamente, representantes maiores do movimento espírita, homenageamos todos os demais componentes da mesa diretiva.

O Coral do Centro Espírita Ildefonso Correia apresentou riquíssimo recital, embalando em suaves e melodiosas vibrações os milhares de presente nesta magnífica atividade de congraçamento. Arthur Lins de Vasconcellos Lopes foi belamente homenageado, revivendo a sua história e dedicação ao movimento espírita brasileiro. Henrique de Almeida, caracterizado de Lins de Vasconcellos, apresentou-se narrando a sua saga, historiando sinteticamente o início do movimento espírita unificado e o ingente trabalho de construção da união dos espíritas brasileiros.

José Raul Teixeira, convidado especial, foi homenageado pela sua trajetória no campo da mediunidade e no trabalho de divulgação da Doutrina Espírita, sob a orientação segura de seu guia espiritual Camilo. São 50 anos de mediunidade. Materializando o fato, foi-lhe ofertada uma placa externando a gratidão dos espíritas paranaenses.

A XX Conferência Estadual Espírita, cuja culminância se dá no Expotrade, contou com mais 11 atividades de divulgação do Espiritismo desenvolvidas por diversos oradores, em outras 15 cidades do Paraná, interiorizando o grandioso evento que ora alcança seu ápice.

Abordando o tema Os Tempos são Chegados, Divaldo Franco destacou que a humanidade vive momentos paradoxais. O homem busca construir a sua plenitude, e nesse afã nem sempre age consoante as leis divinas, amealhando para si algumas perturbações. A filosofia tem buscado responder o que é a vida, a razão para o sofrimento, o destino do homem. Ainda sob o véu de maia, o seja a ilusão, o homem confunde-a com a realidade. Desde os filósofos pré-socráticos aos atuais, as respostas para a ânsia de viver retamente estão em constante construção. A busca pela estética, a não materialidade, a alegria perfeita de viver, ocupam as mentes e corações de muitos que buscam sair de baixo do manto dessa ilusão enganadora.

O homem, criatura inteligente da Criação Divina, vem tentando ao longo dos séculos, com o auxílio da ciência, dar respostas satisfatórias as suas indagações íntimas, em um ingente esforço de autoconhecimento. Nesse crescente vir a ser a criatura humana realiza as suas experiências, nem todas bem-sucedidas, na construção do ideal de libertação, construindo-se melhor, continuadamente.

Líderes e liderados se apresentam para as conquistas almejadas, e todos aqueles que fixaram seus objetivos nas expressões do poder temporal e na materialidade, sempre de curso transitório, não lograram êxito. Jesus, o incomparável Mestre, com sua mensagem de AMOR, sinalizou o caminho seguro para desvendar a realidade do ser, dentro de toda a sua complexidade, isto é, desenvolver o amor incondicional, a compaixão, a solidariedade e outras virtudes tão necessárias. A Doutrina Espírita, trazida aos homens pelas nobres entidades porta-vozes de Jesus e codificada pelo ínclito Allan Kardec, apresenta respostas e orientações de grande alcance para que o homem viva em harmonia, tão plena quão possa esse mesmo homem compreender-se.

A ciência vai se ampliando através de homens e mulheres notáveis que desvendam incógnitas, apresentando caminhos para o estabelecimento do progresso, quer no campo filosófico ou material. O Espiritismo, porém, remontando às causas, vai além do ponto onde a ciência acadêmica se deteve, e apresenta respostas e aponta caminhos seguros para que a criatura humana se plenifique através da caridade, a ação por excelência do amor. Deus é amor, conforme registra João Evangelista (Cap. XIV, 16, 17, 18 e 25 e 26). Deus está no homem. Essa sentença está sendo equacionada pelas conquistas científicas do homem. A presença do Criador no ser humano, e no Universo, a pouco e pouco vai sendo demonstrada, até que não reste nenhuma dúvida, corroborando as imorredouras lições do Mestre Galileu e do Espiritismo.

A mensagem gloriosa de Jesus avança e apresenta os princípios éticos/morais a serem vividos pelos homens de todas as latitudes, construindo a fraternidade universal alicerçada no amor. Não fazer a outrem o que não deseja lhe seja feito é a atitude segura para uma vida plenificada, foi a orientação amorosa e acolhedora de Jesus. À beira da água, na Galileia, Jesus cantou as Bem-aventuranças, as mais belas sinfonias. Jesus é a resposta de Deus aos homens ávidos de amor, de ternura.

Jesus veio libertar almas. Essa é a missão do Espiritismo. O Espiritismo é Jesus de volta entre os homens. A ternura e a docilidade são necessárias para esses tempos atuais de turbulências de toda ordem. A vida possui um significado psicológico. Jesus está em nós através do amor, da solidariedade que se manifestam nos diversos exercícios da vida, nos indivíduos, nas famílias, na sociedade humana. O progresso é inexorável, e o ser humano, a cada nova geração, se renova e se apresenta mais bem equipado nos campos da ética e da moral.

São chegados os tempos, a ilusão e a fantasia, ou seja, o Véu de Maia, vão sendo transformados em ações de amor, progredindo sempre, inexoravelmente. Jesus nos espera! Francisco de Assis, cantando as Bem-aventuranças, enalteceu a alma imortal, a natureza em toda a sua exuberante plenitude, sinalizando ao homem atento que os tempos novos exigem transformações íntimas em profundidade.

Assim finalizou o insigne orador de Feira de Santana, que com seus 90 anos de idade, doando-se inteiramente ao seu próximo, apresenta-nos um exemplo de retidão e de incondicional amor, superando limites impostos até mesmo pela dor física e moral. Os milhares de presentes se puseram de pé, reverentes, aplaudindo intensamente o trator de Deus, conforme Chico Xavier ou o Semeador de Estrelas, cunhado por Suely Caldas Schubert.

Texto: Paulo Salerno

01Foto: Jorge Moehlecke